Ole Rømer, o astrônomo que determinou a velocidade da luz.

Dinamarquês fez a descoberta há 340 anos e ilustra um ‘doodle’ do buscador.

 

velocidade da luz

 

Ole Rømer foi quem determinou a velocidade da luz. O astrônomo não é conhecido do grande público, mas seu nome está unido a essa grande descoberta científica ocorrida há 340 anos. Nesta quarta-feira, o Google celebra a façanha com um doodle que mostra o dinamarquês (Århus, 1644, – Copenhague, 1710) caminhando pensativo junto ao planeta Terra, o Sol, Júpiter e sua lua, Io.

Resultado de imagem para velocidade da luz flash gif

Ole Rømer encontrou a chave sobre a velocidade da luz que Galileu havia procurado sem sucesso duas décadas antes, quando o rei espanhol Felipe III ofereceu uma recompensa para determinar a longitude de um navio fora da vista terrestre. Galileu propôs um método para calcular a hora, e portanto a longitude, com base nas horas dos eclipses das luas de Júpiter, mas não funcionou.

Resultado de imagem para ole romer

Foi uma dessas luas de Júpiter, Io, que Ole Rømer e seu colega Jean Picard observaram durante vários meses. Viram que quando a Terra estava mais longe do quinto planeta da órbita solar, os eclipses de suas luas demoravam mais a serem percebidos e vice-versa. Rømer prosseguiu a investigação e acabou entendendo que a diferença estava na velocidade da luz: esta demorava mais a chegar porque percorria uma distância maior. A medição de tempo foi essencial para fazer o anúncio oficial na Academia de Ciências de Paris.

Resultado de imagem para velocidade da luz

Ole Rømer realizou a primeira estimativa quantitativa da velocidade da luz, em função de suas pesquisas concluiu que a luz demoraria 22 minutos para cruzar o diâmetro da órbita da Terra. Na atualidade, esses cálculos se aproximam dos 17 minutos.

Resultado de imagem para ole romer

Não aparece no doodle do Google, mas o cientista dinamarquês também introduziu o calendário gregoriano na Dinamarca, inventou a luneta meridiana e é o pai da escala Rømer de temperatura, hoje em desuso.

Fonte: x

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *